quinta-feira, 14 de junho de 2012

Brincar e tecnologias!

Há coisas que me fazem cá um nervoso miudinho :o).
Quando ouço p.ex. uma mãe a dizer: "o T. (6anos) ainda não consegue escrever o nome dele, sabes ele é um bocado nervoso para aprender mas no computador ele é um ÀS, sabe mais que eu e então os jogos" e enche a barriga de orgulho ou: "ele tem muitos brinquedos mas estão arrumados se não desarruma-me a casa toda" ou "eu não deixo o meu filho estragar a roupa".
Outra mãe que esteve cá em casa com uma amiga minha, enquanto o filho de 7 anos estava no jardim a brincar ela não parava de ralhar com ele e dizia: "é por isso que não gosto de sair de casa com ele, vês não para quieto" e depois dizia-lhe: "se não paras com isso tiro-te a PSP (Playstation Portable)."

Isto são só 2 exemplos mas infelizmente para algumas familias é o normal. Os filhos passam os tempos livres no computador, a jogar com a PSP ou a verem televisão.

Eu estou longe de fazer tudo certo.
Às vezes até digo que gostava de ser como a mãe do Ruca (Caillou) dos desenhos animados. Ela nunca perde a calma e a paciência e a meu ver faz tudo bem :o)
Eu também me enervo, ralho, digo que NÃO - apesar de às vezes custar, tem mesmo que ser e nem sempre me apetece fazer alguma actividade com eles.
Mas também brinco, elogio, ensino, dou mimos, digo que SIM!
Acho que educar uma criança não é tarefa fácil e dá trabalho, é preciso ter nervos de ferro :o) paciência e muito amor. Nem sempre é fácil encontrar um meio termo e o que por vezes é bom para um pode não ser para outro. Com filhos é uma aprendizagem constante e todo o trabalho que dá (dizer não p.ex.) acaba por ser muito gratificante.

Os meus filhos não têm PSP. Não têm Wii. Não têm computador (mas às vezes deixo-os jogarem no meu). Não têm televisão nos quartos, só temos uma na sala e é para toda a familia. Durante a semana vêm desenhos animados quando chegam da escola/infantário até almoçármos, depois a televisão é desligada e é tempo de fazer os trabalhos de casa (a Luisa) e BRINCAREM. É claro que tem dias que vêm um bocado mais, se estão doentes ou se estão na casa da avó ao fim de semana.
E ainda não têm telemóvel! É claro que a pressão que eles têm na escola cada vez vai sendo maior e às vezes a Luisa pede um telemóvel mas nós dizemos que ainda é muito cedo e ela é muito nova e a ideia pássa-lhe. Também tem alturas que querem a Wii, especialmente quando estão em casa de algum amigo/a que tem, mas vamos adiando até ao próximo Natal ;o). Temos uma Playstation que está guardada e é utilizada para às vezes fazermos serões de Karaoke e eles nunca pediram para brincarem com ela.  

Os meus filhos brincam lá fora com outras crianças aqui, aqui e aqui, rasgam calças aqui, têm as suas experiências por desobedecerem à mãe aqui, são criativos aqui, aqui e aqui.
Para já não me parece que os brinquedos em cima mencionados lhes estejam a fazer falta!

Quantas vezes arrumo a cozinha do almoço ao jantar?! Mas para mim estar a fazer algo com eles tem prioridade como p.ex.  aqui, aqui e aqui! A cozinha tem tempo - eles crescem tão rápido que acho muito mais importante estar com eles! 

Em Portugal a maioria das mães trabalha o dia todo e quando chegam a casa têm que cozinhar arrumar a casa, tratar da roupa e pouco tempo sobra para os filhos. Eu também já passei por isso e sei como é complicado mas houve sempre tempo para ler uma história antes deles dormirem (ainda hoje o fazemos) e aos fins de semana? Sábado limpar a casa, Domingo descansar!! O que é mais importante??

Não quero ferir ninguém com o que escrevi - é a minha opinião!
Deixem os filhos serem crianças e brincarem (ainda vão ter tempo suficiente para estarem "agarrados" ao computador -  e aproveitem tempo com eles.

Beijos,
Sandra

4 comentários:

  1. Há tempo para tudo. Os teus ainda são de facto pequenos para tecnologias. Nas hão-de lá chegar. Como em tudo há que haver sempre um pouco de bom senso. Concordo contigo. Roupa é para sujar, brinquedos são para desarrumar... etc. Que mães chatas, credo. ;)
    Beijinhos Sandra

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Claro que hão-de lá chegar mas por enquanto ainda vamos adiando ;o).
      Beijinhos

      Eliminar
  2. Acho que não feriste ninguém, pelo contrário. Gostei muito do teu texto e ilustraste-o com bons exemplos.
    É claro que eles crescem e vão também sendo cada vez mais influenciados pelos outros, acho que até chega a uma altura em que é mais difícil gerir estas coisas, porque todos se juntam para jogar, ou porque todos se "encontram" no facebook, etc etc... lá está, dosear pode ser a solução mais sensata.

    Acho que estás a fazer um bom trabalho, a sério! Porque os frutos que estás a colher agora (os princípios) há-de colhê-los daqui por uns anos.

    Sabes que eu estava convencida que as coisas aqui eram diferentes? Achava que, como as mães podem passar mais tempo com os filhos, havia um determinado tipo de situações que não aconteciam, porque o acompanhamento é outro, porque ainda podem brincar na rua, porque o tempo na escola lhes deixa espaço livre para brincar, etc etc. Como me enganei...

    Beijinhos!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada pelas tuas palavras :o).
      Não te enganáste, aqui as coisas são diferentes, eu também acho (na maioria dos casos!). Nos dois exemplos que dei, o menino de 7 anos está cá há 3 meses (vindo de Portugal) e está a ter grandes dificuldades em se adaptar na escola. O outro também (até anda numa especial) apesar de ter nascido aqui. E conheço outros caso. Penso que também tem a ver um pouco com a mentalidade portuguêsa mas isto dava pano para mangas :o).
      Beijinhos
      P.S. que idade têm os teus?

      Eliminar